Categoria

USF

Categoria

A contratualização de 2017-19

Para este ano e triénio seguinte, anunciou-se uma verdadeira mudança na contratualização dos Cuidados Saúde Primários (CSP). Nas reuniões de apresentação da contratualização aos profissionais das USF, a contratualização 2017 foi conotada como mais “sexy”. Uma das principais novidades anunciadas foi a não contratualização de indicadores, mas sim a contratualização de um plano de acção plurianual (3 anos), assente numa matriz de desempenho multidimensional que origina um Índice de Desempenho Global (IDG). Isso mesmo pode ser lido no documento da Operacionalização da Contratualização de Cuidados de Saúde Primários 2017(1) : “Deste modo, a negociação da contratualização interna a partir de 2017 será baseada na discussão do Plano de Ação a três anos, com a definição de resultados esperados anuais, em que a avaliação é operacionalizada por uma matriz multidimensional da atividade destas unidades, tendo como referência o Índice de Desempenho Global que se pretende alcançar e melhorar continuadamente.”

Mas será mesmo assim? Há mesmo uma revolução na contratualização? Têm os profissionais de saúde razões para ficarem “felizes” por finalmente não contratualizarem indicadores?

Os tempos mudam, mas há coisas que parecem não mudar. Estou farto da discussão de ter ou não médico de família, de quantos utentes cada médico deve ter e de estar meses à espera de uma consulta da clínica geral ou de outra especialidade.
Que acesso à saúde queremos? Vivemos em que século? Afinal de contas a tecnologia é apenas uma coisa para colocar nos planos que se fazem que nem servem para inglês ver ou podemos efectivamente ajudar as pessoas com o melhor da tecnologia?
Por mim, começava por acabar com as USF’s e com Médicos de Família, de uma vez por todas.

Em Setembro de 2006 abriam as primeiras Unidades de Saúde Familiar (USF). De acordo com a então Missão para os Cuidados Saúde Primários, tratava-se da constituição de pequenas unidades funcionais autónomas, prestadoras de cuidados de saúde à população, que proporcionariam maior proximidade ao cidadão e maior qualidade de serviço.

Mas como se iniciou este processo? Quais os principais factos ocorridos antes de 2006 que levaram à Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (CSP) e ao surgimento das USF?

Lê-se em 7 minutos

 

– “Olha lá vêm os pracistas!” – comenta em voz alta uma senhora na sala de espera do Centro de Saúde.

– “Quem?” – pergunta um senhor levado “à força” pela mulher ao médico.

– “Os homens da pasta, os vendedores de remédios” – ouve-se no burburinho entre os vários utentes que esperam pela consulta.

– “Ah, os propagandistas. Nem pensem que nos passam à frente!” – dizem alguns doentes colocados estrategicamente à porta do consultório do médico, à espera de vez e barrando a passagem dos Delegados de Informação Médica (DIM) que acabaram de chegar.

Entretanto, o DIM pousa a pasta e aguarda pela saída do doente que está com o médico para meter a cabeça por entre a muralha de doentes e, chegando à porta do consultório, pedir ao médico um minutinho…

Lê-se em 5 minutos

Um DIM (A) visita um médico num hospital. Durante a visita o médico diz ao DIM estar a organizar uma reunião científica que vai juntar o serviço e os médicos de família da área de influência do hospital e solicita-lhe apoio para a elaboração da mesma. No final da visita o DIM envia ao seu Chefe um mail a comunicar o sucedido, dizendo que se trata de uma boa oportunidade.

O Chefe recebe o mail e ao perceber a importância reencaminha o mail para o PM, com conhecimento do Chefe Nacional de Vendas, pedindo a colaboração do Marketing.

O PM ao receber este mail, concorda com a oportunidade e envia mail ao MSL (departamento médico), solicitando apoio na elaboração da reunião, colocando Director de Marketing e Director Médico em cópia. O MSL decide visitar o médico para se inteirar do âmbito da reunião e discute com ele o modelo. De seguida envia mail ao PM a propor um modelo de reunião e a propor uma visita conjunta ao médico para optimizar alguns aspectos.

Lê-se em 5 minutos

63 milhões de euros. Nada mau este jackpot!

Na verdade foram 63 175 567,73 €.

Foi este o valor que a Indústria Farmacêutica (IF) declarou no ano de 2015, no site do Infarmed, no âmbito das Comunicações de Transparência e Publicidade (do medicamento).

Haverá com certeza uma certa curiosidade em saber onde foi gasto este valor. Afinal equivale a umas semanas seguidas sem sair o Euromilhões…

Tem ideia de quantas companhias gastaram 50% deste valor? Apenas 10.

E que as três que mais investiram, representam 20% dos 63 milhões?

E que pouco mais do que 80% do valor total foi gasto por 30 companhias?

E sabia que há entidades/congressos a receber mais de 1 milhão de euros?

Desculpem não publicar hoje a 2ª parte do post “Substituir o DIM pelo Digital é Bullshit”, mas a relevância de outro acontecimento, obrigou-me a dedicar este post à USF inaugurada com pompa e circunstância, na baixa de Lisboa, no dia 17 de Novembro.
O coordenador frisou as características únicas da instituição. “Criámos uma USF só com médicos recém-especialistas e sem visitas de «delegados de informação médica”. Além do mais, o tema tem tudo a ver com o digital.

Lê-se em 6 minutos

 

A propósito do início do campeonato de futebol vi com alguma piada a publicidade a um jogo de apostas desportivas que mencionava o regresso dos “frangos” e dos “mergulhos para a piscina”, bem como a alusão aos membros que constituem as equipas como os “carregadores de piano”, os “pinheiros”, os “brinca na areia” e os “mágicos”. Mas o mais curioso é que rapidamente tive a noção que estes cognomes não são exclusivos do futebol, podendo encontrá-los em todas equipas ou, nos tão na moda, grupos de trabalho.

Por exemplo, numa empresa, os “carregadores de piano” são colaboradores que “carregam” a companhia desempenhando tarefas muitas vezes não valorizadas mas essenciais. Em “futebolês”, não são eles que marcam os golos, mas são os que tudo fazem para que a estrela da equipa o consiga fazer.

Já os “pinheiros” são aqueles que participam com “corpo presente” porque alguém os designou. Em quantas reuniões participei em que alguns membros não sabiam sequer qual o objectivo da mesma?

Lê-se em 6 minutos

 

Há poucos dias inscrevi-me no site de uma companhia de aviação low-cost. Após ter inserido os meus dados pessoais, sou convidado a responder a uma série de perguntas que me surpreendeu; 18 questões divididas em 5 categorias: “Planear uma viagem”, “Próximo”, “No aeroporto”, “Durante o voo” e “Feriado”.

Eis alguns exemplos: “Quem viaja consigo?”, “Que malas traz consigo?”, “Como é que chega ao aeroporto?”, “Como paga quando compra coisas no avião?”, “Que tipo de hotel é que reserva?”

Respondi a todas elas finalizando a minha “inscrição” e pus-me a pensar para que raio querem eles saber tanta coisa sobre mim e sobre os meus comportamentos.

Lê-se em 5 minutos

 

Ao folhear uma revista de comunicação interna de uma prestigiada marca de bebidas, deparei-me com um novo termo – FlexEfficiency.

Achei a expressão curiosa e fui investigar a sua origem…

Interessante verificar que mais uma vez a indústria surge como berço da inovação e de novos conceitos. Neste caso, na General Electric (GE), com a criação de enormes geradores de energia que entram em funcionamento quando o vento não sopra ou quando o Sol não brilha, desligando-se quando as energias renováveis estão disponíveis, permitindo assim potenciar ao máximo o uso dessas energias, só usando o gerador quando estritamente necessário.

Para a GE, “FlexEfficiency é a combinação poderosa da eficiência e da flexibilidade operacional. A GE acredita que os produtores e operadores podem gerar electricidade mais custo-efectiva se incluírem considerações de flexibilidade e eficiência na avaliação dos seus modelos, e denominou este conceito de FlexEfficiency.”

De volta à revista da Coca-Cola, e com o mesmo conceito inerente ao da GE, pode ler-se numa página que ”FlexEfficiency é o conceito que define um novo modelo de gestão que, aplicado em todos os processos de trabalho, deve permitir compatibilizar dois objectivos: actuar com flexibilidade para adaptarmo-nos às necessidades do mercado e manter os melhores indicadores de eficiência”.

Pin It